Imprimir  Voltar  Home 


  Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior - ANDES-SN


Data: 21/03/2016

Servidores estaduais em greve tomam as ruas do RJ

Duas grandes manifestações de servidores públicos estaduais tomaram as ruas do Rio de Janeiro (RJ) na última semana. No dia 16 de março, servidores estaduais da educação em greve, entre eles os docentes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e do Centro Universitário da Zona Norte (Uezo), marcharam até o Palácio do Governo. Já no dia 17, os servidores da educação se uniram às demais categorias do funcionalismo fluminense em nova marcha, dessa vez rumo à Assembleia Legislativa (Alerj).

A situação dos servidores estaduais fluminenses é difícil. Para manter o superávit primário, o governo estadual decidiu atrasar o pagamento dos salários, do 2º para o 10º dia útil do mês, o que faz com que muitos trabalhadores não consigam pagar suas contas. Além disso, o governo do Rio de Janeiro também parcelou o 13º salário dos servidores estaduais. Todos os servidores da educação estadual, com exceção dos docentes da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf), já estão em greve.

De acordo com Guilherme Abelha, 1º secretário da Regional Rio de Janeiro do ANDES-SN, as duas manifestações demonstraram a força dos servidores estaduais. “Os dois atos demonstram a insatisfação dos servidores frente ao governo do estado. A tendência, daqui pra frente, é que mais categorias entrem em greve junto com os trabalhadores da educação”, afirmou o docente.

O ato do dia 16 reuniu mais de 5 mil pessoas, apesar da forte chuva. No ato do dia 17, em frente à Alerj, a estimativa é de comparecimento semelhante. Guilherme Abelha ressalta que as universidades estaduais não têm quaisquer condições de funcionar pois, além do ataque aos direitos trabalhistas dos servidores, o governo do Rio de Janeiro não têm feito os repasses orçamentários necessários para a manutenção dos serviços.

“As universidades estaduais não têm nem limpeza devido à falta de pagamento dos trabalhadores terceirizados. Temos que aumentar a cobrança à esse governo, que não apresenta nenhuma solução para nossos problemas”, completa Abelha.

Ainda no dia 16 de março, foi realizada uma audiência pública, na Comissão de Educação da Alerj, para debater a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 19/2016, que prevê cortes de 50% nas verbas da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj). Centenas de professores e estudantes lotaram a sala.

Docentes da Uenf criam fundo para ajudar no pagamento de bolsas

Os docentes da Uenf, que também estão mobilizados contra os ataques do governo aos servidores e aos serviços públicos, decidiram, em assembleia realizada no dia 16, pela criação de um fundo de greve de apoio aos estudantes que, por causa do atraso no pagamento de bolsas acadêmicas, se encontram em dificuldades financeiras e passando por graves dificuldades.

Estudantes ocupam escola na Ilha do Governador

Seguindo o exemplo dos estudantes secundaristas de São Paulo e de Goiás, os estudantes da Escola Prefeito Mendes de Moraes, na Ilha do Governador, ocuparam sua escola nesta segunda-feira (21). Eles defendem a educação pública e apoiam a greve dos professores e servidores da rede estadual de educação básica.

*Com informações de Asduerj-SSind, Aduenf-SSind e Escolas do RJ Em Luta. Imagens de Asduerj-SSind

 


Fonte: ANDES-SN


+1
|
0
| Denunciar

0 comentários | 602 visualizações | 1 avaliações

Comentar esta notícia