Imprimir  Voltar  Home 


  Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior - ANDES-SN


Data: 17/07/2017

Encerrado o 62º Conad do ANDES-SN em Niterói (RJ)
 
Durante quatro dias, docentes de todo o Brasil discutiram a conjuntura, avaliaram e atualizaram os planos de lutas do ANDES-SN frente aos desafios políticos e organizativos

 
As deliberações do 62º Conad do ANDES-SN, realizado na cidade de Niterói (RJ) de 13 a 16 desse mês, demonstraram o fortalecimento do Sindicato Nacional como uma entidade autônoma e democrática, em defesa da classe trabalhadora, pela intensificação da luta para barrar as contrarreformas e revogar as já aprovadas e mobilização pela construção de uma nova Greve Geral, no enfrentamento à retirada de direitos dos trabalhadores, e ainda contra a política de conciliação de classes, pelo "Fora Temer" e eleições diretas e gerais já, com novas regras.
 
Além da agenda de lutas, foram aprovadas a prestação de contas e a previsão orçamentária do Sindicato Nacional para o ano de 2018, homologada nova sessão sindical - Adesfaetec SSind. e definida a cidade de Fortaleza (CE) como sede do próximo Conad,
que será organizado em conjunto com a Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual do Ceará (Sinduece-SSind.).

As deliberações e debates foram destacadas na Carta de Niterói, lida na plenária pelo secretário-geral do ANDES-SN, Alexandre Galvão. O documento sintetizou os quatro dias de encontro, abordando as resoluções aprovadas no Conad, reforçando a campanha - lançada no evento - contra o assédio sexual, a criação de uma comissão permanente de combate ao assédio e a atenção especial dada à política de inclusão, ingresso e permanência de pessoas com deficiência nas Instituições de Ensino Públicas, ações que se colocam como importante desafio do Sindicato Nacional. A carta apontou ainda a atualização da consigna do ANDES-SN e os desafios a serem enfrentados daqui pra frente.

 
Conad de Niterói
Para Gustavo Gomes, presidente da Aduff SSind., seção sindical que sediou o 62º Conad
, a realização desta edição em Niterói fortaleceu e motivou a luta dos trabalhadores. “Esse Conad avançou na nossa unidade interna e na unidade externa num momento de reorganização dos trabalhadores para revogar a Reforma Trabalhista e impedir a Reforma da Previdência. A gente sai mais armado, munido a partir dos debates desenvolvidos aqui, para nos engajarmos junto aos demais trabalhadores no movimento para barrar as reformas e também na campanha pelo Fora Temer, culminada agora com a exigência de eleições diretas e gerais já”, afirmou o dirigente.
 
O fortalecimento da luta
A presidente do ANDES-SN, Eblin Farage, destacou na plenária de encerramento a importância do espaço de debate democrático proporcionado pelo 62º Conad, frente à necessidade emergencial de ampliação das lutas dos docentes e da unidade contra a retirada de direitos vivenciada pelos trabalhadores. “Nosso desafio imediato para o segundo semestre é barrar as contrarreformas e colocar para fora o Temer, e ele tem que sair pela mão dos trabalhadores. A nossa expectativa é buscar isso na organização e no nosso poder de mobilização. A nossa classe tem disposição de mudar. Precisamos botar fogo nessa fogueira, que alguns querem apagar. Ao contrário, é necessário intensificar a nossa luta e construir um projeto de Universidade muito distinto desse que vem sendo implementado nos último anos”, destacou a presidente dando por encerrado o 62º Conad.
 
Moções aprovadas
Foram aprovadas diversas moções na plenária de encerramento, entre as quais manifestações de repúdio contra a atuação seletiva da Justiça, de repúdio ao atraso dos salários dos servidores do Rio Grande do Norte há 1 ano e seis meses, contra a aprovação da LDO pela Assembléia Legislativa do Rio Grande do Norte, a qual congela o orçamento do Estado incluindo o salário dos servidores, repúdio à emenda aditiva que extingue a Unila por meio da criação da Universidade da Fronteira Oeste, repúdio ao discurso de ódio proferido pelo verador Andrean Peglow (PSDB) contra a Universidade Federal do Rio Grande (Furg), repúdio à interdição do acesso de estudantes estrangeitos a auxílios da política nacional de assistência estudantil promovido pela reitoria da Unilab, contra ameaças e perguições a lideranças quilombolas e indígenas no e
stado do Maranhão, repúdio ao apoio dos governos à construção de mais um porto na cidade de São Luís (MA) para atender interesses de empresa privada, repúdio contra a privatização da educação básico da Paraíba, de repúdio ao vereador de Niterói (RJ) Carlos Jordy (PSC), que contesta o uso dos banheiros femininos por pessoas trans, e ao ato racista do Movimento Brasil Livre (MBL) contra Luiz Carlos Prates, dirigente sindical da CSP-Conlutas.

Os delegados aprovaram ainda moção de apoio ao professor Pedro Mara, acusado de promover apologia ao uso de drogas por possuir uma tatuagem de folha de maconha no braço e moção de solidariedade à comunidade acadêmica de três institutos da Universidade Federal Fluminense.
 


Fonte: ANDES-SN


+3
|
0
| Denunciar

0 comentários | 828 visualizações | 3 avaliações

Comentar esta notícia