Após retorno presencial em Manaus, 342 professores já foram contaminados pela Covid-19

Atualizado em 04 de Setembro de 2020 às 14h52
Professores iniciaram nessa terça (1/9) paralisação das atividades presenciais. Foto: Rede Brasil de Fato

Em apenas 15 dias da volta às aulas presenciais em Manaus (AM), 342 professores do ensino médio da rede pública testaram positivo para o novo coronavírus. As aulas no ensino médio foram retomadas no dia 10 de agosto.  A situação fez com que o governador Wilson Lima (PSC) decretasse o adiamento por tempo indeterminado da retomada das atividades do ensino fundamental, que deveria ter começado na última segunda-feira (24). Porém, as aulas presenciais no ensino médio foram mantidas.

Manaus foi a primeira capital a retomar as atividades presenciais nas escolas, mesmo tendo sido um dos estados com recordes de contaminação por Covid-19 nos três primeiros meses de pandemia. Em maio, o Amazonas chegou a ultrapassar as regiões Sul e Centro-Oeste juntas em número de pessoas infectadas, o sistema de saúde colapsou e muitos morreram por falta de assistência médica.

Os resultados dos testes foram divulgados durante audiência pública virtual realizada pela Assembleia Legislativa do Amazonas, para discutir o planejamento da volta às aulas presenciais no estado. Os exames foram aplicados em 1.064 profissionais da educação da cidade, o que equivale a 32,2% de contaminação. Ao todo, a rede pública estadual tem 30 mil educadores.

Apesar dos dados, a diretora da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas, Rosemary Pinto, afirmou não haver transmissão ativa nas escolas. "Como medida de precaução, os profissionais que testaram positivo, os que já passaram pelo período de transmissão, permanecem mais sete dias longe da escola, dentro de um protocolo. Quem ainda está no período de transmissão, permanece mais 14 dias longe", anunciou.

No entanto, os professores discordam e defendem a suspensão total do retorno presencial às aulas. Segundo a Associação Sindical dos Professores e Pedagogos das Escolas Públicas do Ensino Básico de Manaus (Asprom), cerca de 80 escolas já registraram ao menos um caso positivo de covid-19.

De acordo com a diretora da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE) em Manaus, Isis Tavares Neves, o governo do estado não se preparou para combater a pandemia, e também não seguiu protocolos para o retorno das aulas presenciais. "Fomos às escolas fiscalizar e vimos aglomerações na entrada, alunos sem máscara e salas de aula com vidros chumbados, sem ventilação natural, e EPIs [Equipamento de Proteção Individual] de péssima qualidade", relatou.

Paralisação
Diante da situação, a categoria aprovou a paralisação, a partir dessa terça-feira (1/9), das aulas presenciais em defesa da vida, mas mantém as aulas remotas para não prejudicar os alunos da rede pública. Cerca de 50% das 123 escolas já aderiram ao movimento, apesar das ameaças do governo do estado, que insiste em manter as aulas presenciais. "Porque nossa intenção é salvar vidas, e se o governador não recuar iremos fazer uma greve, ou seja, não vai ter aula presencial nem remota", disse Isis Tavares Neves.

Máscaras viram motivo de memes na internet. Imagem: reprodução Twitter

Más condições
A Associação Sindical dos Professores e Pedagogos das Escolas Públicas do Ensino Básico de Manaus (Asprom) também reclama de pouca ventilação nas salas e falta de materiais de higiene, como papel toalha e álcool gel a 70%. Várias escolas foram fechadas temporariamente desde o início das aulas por casos confirmados de covid-19.

Além disso, o governo estadual entregou apenas uma máscara de pano para cada estudante. O material também era de baixa qualidade e com tamanhos desproporcionais, em muitos casos cobrindo totalmente o rosto dos estudantes.

* Com informações da CNTE e da Rede Brasil Atual

Compartilhe...

Outras Notícias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
EVENTOS