Senado aprova desmonte da previdência em primeiro turno

Atualizado em 10 de Outubro de 2019 às 18h06

 

O Senado aprovou, em primeiro turno, o texto da reforma da Previdência. A Proposta de Emenda Constitucional N° 6/2019 teve 56 votos favoráveis e 19 contrários. A votação teve início na terça-feira (1), logo após a aprovação do texto do relator na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), e foi concluída na quarta (2).

Durante toda a discussão acerca do desmonte da Seguridade Social e da retirada dos direitos de aposentadoria da população, o acesso ao Senado foi bloqueado a visitantes e manifestantes.

O texto votado em plenário traz apenas uma alteração em relação ao relatório do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). Os senadores acataram o destaque que preserva as regras atuais para o pagamento de abono salarial para quem ganha até dois salários mínimos.

Agora a PEC 6/2019 poderá receber, em plenário, emendas de redação. Passará por três sessões de discussão, antes de ser encaminhada para a votação em segundo turno.  Caso seja aprovada sem alterações em relação ao texto da Câmara, segue para promulgação.

Para evitar uma nova análise da Câmara dos Deputados, que atrasaria a promulgação, foram feitas apenas supressões e emendas de redação. Os pontos sobre os quais não havia consenso foram desmembrados durante a análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e passaram a tramitar como PEC paralela (PEC 133/2019), que também está sendo analisada pelo Senado.

Sônia Meire Azevedo, 1ª vice-presidente do ANDES-SN, destacou que a luta contra a reforma da Previdência está inserida em um contexto de resistências contra a ofensiva do capital financeiro.

"Há um conjunto de medidas e a reforma da Previdência é a principal delas mas não é o único projeto de ataque à classe trabalhadora que está em pauta. Hoje foi um dia importante, pelas 48h de greve, nas quais muitas universidades e institutos federais pararam, além de outras categorias. A paralisação da classe trabalhadora foi contra esse governo, contra os ataques à educação, contra a reforma da Previdência, em defesa da soberania, contra a venda dos correios, dos ativos da Petrobras, das nossas estatais. Nós não temos uma só pauta, a reforma da previdência é uma pauta muito importante para a classe trabalhadora, mas nós temos outras pautas que foram agregadas ao nosso dia de luta. Precisamos aumentar a pressão popular, embora estejamos num endurecimento cada vez maior das medidas do governo. Eu tenho esperança na classe trabalhadora", conclui Sônia. 

Com informações da Agência Senado

Compartilhe...

Outras Notícias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
EVENTOS