Com MP, Bolsonaro altera lei que garante recursos para acesso à internet na educação básica

Atualizado em 06 de Agosto de 2021 às 11h18
Foto: Marcos Santos /USP Imagens

Em desrespeito ao Congresso Nacional e à população brasileira, o presidente Jair Bolsonaro se utilizou de uma medida provisória (MP) para adiar o repasse de recursos para garantir maior acesso à internet a estudantes e professores da rede pública de ensino.

O chefe do Executivo editou a MP 1.060/2021, que altera a Lei 14.172, de 2021, a qual determina o repasse de R$ 3,5 bilhões para assegurar o acesso à internet de aluno e professor da rede pública. No texto da MP, publicado em edição extra do Diário Oficial da União de quarta-feira (4), o governo retira o prazo de 30 dias, após a publicação da lei, para que a União realize a transferência do recurso a estados e ao Distrito Federal em parcela única.

Por se tratar de medida provisória, a mudança já passa a valer a partir da data de sua publicação. No entanto, os parlamentares terão 120 dias para votação da matéria ou então seus dispositivos perdem eficácia.

A Lei 14.172 foi sancionada em 11 de junho após o Congresso Nacional derrubar o veto integral de Jair Bolsonaro ao texto. Na ocasião, o presidente da República argumentou que a matéria não apresentava estimativa do respectivo impacto orçamentário e financeiro. E, ainda, que a medida aumentaria a rigidez do Orçamento, o que dificultaria o cumprimento da meta fiscal e da regra de ouro, previstas na Constituição Federal. No entanto, a lei aprovada pelo Congresso Nacional estipula o Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) como fonte de recurso para o repasse dos R$ 3,5 bilhões.

Outras mudanças
O texto da medida ainda inclui trecho para conceder ao Poder Executivo federal a responsabilidade de disciplinar as regras para o repasse dos recursos, até mesmo quanto aos prazos, à forma de repasse dos valores e à prestação de contas de sua aplicação. O governo federal também será o responsável por regulamentar o regime de colaboração dos estados com os municípios.

A MP 1.060 retira também os prazos para a restituição à União dos valores repassados e que não forem aplicados de acordo com as finalidades e as prioridades previstas.

Orçamento
De acordo com a MP as dotações orçamentárias da União para garantir acesso à internet são restritas às “consignadas nos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União” que sejam relacionadas à finalidade da Lei 14.172. Já o uso do Fust como fonte de recurso não foi alterado pela MP.  

*Com informações da Agência Senado

Leia também:
Bolsonaro vai ao STF contra lei que garante acesso à internet na educação básica

Congresso derruba veto de Bolsonaro a projeto que garante acesso à internet na educação básica

 

 

Compartilhe...

Outras Notícias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
EVENTOS